António Barros, EsCravos, 1977

há acção nas palavras? pois sem dúvida. por isso, há que escolhê-las bem e, para tal, é preciso saber realmente o que significam. as palavras foram usadas nas artes plásticas num tempo em que foi necessário dizer sem ferir susceptibilidades, assumindo-se estas como visualidade por ser tão ténue a linha que separa as afirmações das ocultações. incluir o diferente numa bolsa monolítica não é visibilizar, mas sim negar, por isso, em “Escravos” se convoca a dimensão tridimensional do discurso. será isto válido para tudo o resto?

«Escravos», no primeiro andar da Casa da Escrita. A obra, premiada no Concurso Nacional de Poesia 10 Anos do 25 de Abril (1984), faz parte da Colecção do Museu de Serralves» (Foto: Manaíra Athayde)

Image

Advertisements

About Sónia Pina

Investigadora em Filosofia da Comunicação, New-media, Old-media, Ontologias digitais, Fluxus, Visualismo, Info-estética (protocolos visuais da comunicação), Intermedialidades na arte;

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: